Como transformar as suas fantasias em realidade (para mulheres)

Como transformar as suas fantasias em realidade (para mulheres)

Fantasias, ou a modalidade de compensar a falta de uma realidade que se queria ter, toda a gente tem. Até mesmo as donas de casa monogâmicas imaginam ser divas satisfeitas em grupo, como as damas experimentadas anseiam a posição do missionário... cada uma sonhando com aquilo que não tem ou que tem perdido.

Em determinada altura, todo o mundo quer que, além do sexo “comum”, possam ter um ménage à trois ou sexo vanguardista, com público (ainda que formado por um único espectador).

Mas apenas algumas pessoas admitem as suas curiosidades. E, entre os que são sinceros consigo mesmos, apenas uma pequena parte consegue colocar na realidade as histórias que o subconsciente fabrica (portanto, o número continua a diminuir). A maioria preferem manter-se ao estado de meditação. É mais saudável assim, sem outras complicações. Afirmam eles.

Paradoxalmente, ter pensamentos eróticos que desviam das normas, é uma normalidade. Estes são, às vezes, provocados pela pressão de rejeitar um comportamento geralmente não aceite. A atitude da criança a quem os adultos negam o que queria ter, e ela acaba fazendo isso mesmo, aplica-se aos adultos também. A reacção perante o fruto proibido é talvez profundamente humana.

Outras vezes, a perversidade manifesta-se de forma fictícia, por causa da falta de oportunidades de colocá¬-la em prática. Os desejos ardentes da humanidade têm encontrado sempre realização na imaginação, que ainda hoje abriga ideais elevados: a partir da paz na terra, até beliscar o “traseiro” do vizinho musculoso (as aspiração de muitas pessoas revelam uma ter uma diversidade impressionante).

Além dos que praticam a abstinência, os obsecados (nome genérico dado às pessoas com um apetite mais consistente), os indivíduos infelizes no amor, as pessoas que aceitam plenamente a sua vida íntima acabam também por ser vítimas dos devaneiros repetidos. As decepções da vida quotidiana (do quarto) não determinam necessariamente a fuga no mundo das quimeras.

As pessoas têm fantasias sujas... porque elas podem!

A decisão de colocá-las ou não em prática tem a ver com vários aspectos, que são geralmente relacionados ao que a consciência, o horóscopo, a mãe, a mulher, o homem ou a comitiva têm para dizer. Não necessariamente por esta ordem. O sistema de hierarquia dos objectivos existenciais podem variar de uma pessoa para outra.

Apesar da anxiedade que alguns sentem, a fantasias íntimas não mordem e não afectam a saúde. Bem pelo contrário. Nalgumas situações, trazem muita felicidade na alma da pessoa que realizou o seu sonho de fazer amor na casa de banho de um restaurante de 5 estrelas. Que é de facto uma necessidade inofensiva.

Poucas situações dão lugar a suspeitas e preocupação entre os boêmios que vivem na Lua (e isso acontece porque são perigosas, mas agora isso já tem a ver com o aspecto patológico).

Além dos extremos que precisam da intervenção do psicólogo ou pelo menos uma introspecção mais profunda, os caprichos senzuais podem ser traduzidos em realidade com a ajuda dos acompanhantes que oferecem discrição, desempenho e indulgência absoluta.

Antes de dar o grande passo, as senhoras interessadas nesse assunto devem responder a uma série de perguntas que visam facilitar a missão delas:

 

1.-O QUE EU QUERO? O universo dos desejos inconfessos tem tantas dimensões capazes de satisfazer todos os terráqueos ainda que mais exigentes: intimidade a três, relações homossexuais, fetiches bizarros, jogos de papel, couro preto, chicotes e BDSM no seu próprio direito.

Qual a área das suas “acções” mais escondidas? Qual o “número” com que quer marcar a sua “estreia”? Não é possível ter tudo de uma vez, pois é perigoso para a sua carteira e para o seu coração, susceptíveis de sucumbir os dois perante o peso de um evento demasiado intenso para uma amadora.

Se tiver um único desejo, a pergunta encontra rapidamente a sua resposta. Mas se tiver um número suficiente para gravar uma trilogia porno e a sua sequência, concentre-se num dos “problemas”. Geralmente naquilo mais simples e fácil para ser realizado.

Quer afeição em grupo, ser dominada, vestida de chocolate e limpa com a língua pelo homem com cabelo longo e piercing no umbrigo? Faça uma classífica das suas ideias favoritas, ainda que sejam bizarras ou convencionais e estabeleça um único vencedor. O resto ficará para a próxima.

 

2.-POR QUÊ? A motivação perfeita para passar à acção “perigosa” tem a ver com o prazer e a autenticidade, não com o desejo de imitar as personagens dos filmes XXX ou as experiências das amigas mais próximas. Não deve idealizar as fantasias “da moda”, nem aproximar-se a elas apenas porque são praticadas nalguns círculos e parecem transbordar rios de felicidade entre os seus seguidores.

As devaneiros eróticos são pessoais. As amigas podem ser fãs apaixonadas do contacto anal... mas mesmo assim, as preferências delas não têm nada para se tornar também no seu objectivo de vida.

 

3.-COM QUEM? Os homens a pagamento são uma opção excelente para tornar os seus sonhos realidade. Têm experiência, óptimas características e não têm medo perante um qualquer requisito de participar num acto atípico de amor.

Apesar desse facto, a selecção do “senhor acompanhante” é submetida a um processo relativamente detalhista. Não pode escolher o primeiro que encontrar pelo seu caminho, sobretudo se aquilo que você pedir entrar na categoria “obscura” das manifestações não-conformistas. Um ménage à trois bissexual é considerado elementar, mas um episódio sado-maso requer um mestre especializado no amor duro. Com certeza que você não queria deixar-se nas mãos de um garanhão com habilidades tradicionais e experiência zero no campo do erotismo “atroz”.

Procure por um acompanhante com boas recomendações, especialista nas actividades com que você anseia em segredo.

 

4.-COM QUÊ?
1.-Com todo o ser.
2.-Com (pelo menos) um parceiro dotado.
3.-Com as precauções necessárias.

Além da protecção clássica, dependendo da dinâmica visada, certifique-se de que nada lhe comprometa a integridade.

A para a paixão pela área do BDSM, por exemplo, é necessário documentar-se seriamente antes de tudo. Algumas situações implicam um nível de perigo mais elevado do que as outras. A ideia de que vai dar tudo bem, espontaneamente, só é válida para os filmes e claro, nas próprias “revelações”. Mas na realidade as chances que o doggy style interpretado com o chefe no escritório seja aplaudido por todos os empregados são mínimas.

Tente criar um quadro seguro, de forma a não resultar numa multa, hospitalização ou com a reputação estragada. E se for o caso, procure os utensílios antes.

 

5.-COMO? Seja qual for o espectro que visar, deve considerar sempre o aspecto do equilíbrio. É muito bom deixar a imaginação livre, esquecer das regras, do pudor e da timidez, e viver na realidade com os olhos abertos (ou fechados, se quiser) o desejo de uma aventura desinibida. Mas, ao mesmo tempo, parece estraho dar-lhe toda a atenção ou afastar o interesse da própria vida para a sua realização incondicional.

Teoricamente, a realização dos pensamentos indecentes vai de mãos dadas com o divertimento, não com o desenvolvimento de uma obsessão prejudicial.