Razões pelas quais é bom ser homem

Razões pelas quais é bom ser homem

Embora as mulheres tenham ganho muito terreno em termos de direitos, o mundo continua a ser do sexo forte. E, lá onde elas queriam estar circunstancialmente na pele confortável deles, eles nunca e por nada ao mundo abandonariam a sua “posição”. Por quê? Há uma infinidade de razões que fazem com que seja maravilhoso ter um pênis e um passado privilegiado na história.

1.-Os homens não são considerados objectos sexuais. Embora as senhoritas lutem para demostrar que no interior do corpo pelo qual muitos homens babam, há uma pessoa que sente, pensa e espera não ser reduzida a simples objecto erótico, o que atira a atenção é sempre o exterior. Nesta perspectiva, os homens são favorecidos, porque:
-podem comer uma banana sem ninguém sentir emoções particulares e transpor eles num quadro sensual;
-podem tirar a camisa quando faz muito calor sem causar ataques cardiacos para os “seres” que estão ao seu redor;
-podem “existir” num grupo qualquer, sem ser despidos com os olhos;
-podem fazer parte de anúncios publicitários sem mostrar os músculos ou o posterior realçado por um par de calças apertadas;
-podem ter sucesso na entrevista de emprego sem um decote ostentoso;
-etc.

2.-Os homens não cumprem as normas de um único padrão de beleza. Elas são atraentes só se forem jovens, anoréxicas e tiverem aspecto de boneco recém tirado da caixa (porque é assim que dizem as normas actuais). A beleza da outra parte sabe o que as circunstâncias atenuantes são e é estabelecida individualmente, segundo a idade, altura e peso. Eles são charmosos mesmo quando:
-têm cabelo cinzento;
-não usam saltos;
-não são depilados, não têm as sobrecelhas feitas, maquilhagem nem os cabelos modelados;
-alimentam a base de batatas fritas e cerveja uma barriga fofa que lhe garante o apelativo de “ursinho” (para as senhoras, a etiqueta teria sido: “vaca”);
-andam despenteados vestindo jeans e t-shirt;
-etc.

3.-Os homens gozam mais da liberdade... Começando pela possibilidade de se sentar onde quiserem de joelhos apertados, até aceder à posição de Presidente do Estado (as parceiras também podem fazê-lo, mas há hipóteses de êxito?), os homens possuem liberdades inacessíveis às “damas”:
-a felicidade de fazer xixi em várias zonas que não foram brevetadas com o nome de “WC”;
-a sorte de não ser comiserados por terem mais de 40 anos e “subsistirem” como solteiros olgulhosos por sê-lo;
-a indulgência dos interlocutores quanto à utilização de un vocabulário “colorido”;
-o direito (quase constitucional) de ter as amantes que quiserem;
-passar 90% do tempo a pensar em sexo, seios e desporto;
-etc.

4.-... e da independência. Embora as mulheres tenham geralmente deixado por trás a fase de seres impotentes e vencer já muitas vezes na batalha com a vida, são sempre os detentores dos cromossomos XY os primeiros quando se trata de “independência” porque:
-não precisam de un grupo inteiro de amigos para ir ao banheiro;
-são apoiados pela tradição quando após o casamento querem manter o nome de solteiros;
-sobrevivem a uma separação também sem comer compulsivamente chocolate;
-o grau de atractividade deles não é condicionado por uma série de rituais de beleza “dolorosos” ou por passar meio da sua existência em frente ao espelho do banheiro;
-ganham, geralmente, mais dinheiro;
-etc.

5.-Os homens não se deixam “condicionar” pelos sentimentos. A vários contextos existenciais, as senhoras respondem sempre de forma “apaixonada”, sendo assim muito vulneráveis, expostas a incomodações, entusiasmos, medos, etc. Em contraste, os cavaleiros filtram tudo através da razão que os protege da avalanche de emoções “perturbadoras” específicas do outro sexo. Por eles:
-as lagrimas durante os filmes emocionantes são tão raras quanto o desejo de ver aqueles filmes;
-os comentários maliciosos sobre eles ter ganho peso passam-lhes ao lado e até são divertidos;
-reagem pouco ou nada às notícias sobre crimes, estupros, as dizimações dos rinocerontes negros na África (mas choram cada vez que a sua equipa de futebol, rugby, basqetebol, etc perde - pelo menos não há rimel que escorra);
-não consideram um pequeno corte no dedo um drama mundial, nem se a comida se queimou (talvez por entrarem tão raramente na cozinha);
-são difíceis a manipular emocionalmente;
-etc.

6.-Os homens adoram o pragmatismo. Enquanto a mente das mulheres é como um labirinto impossível de decifrar e as suas acções refletem a sua “complexidade”, o comportamento dos “rivais” denota semplicidade, eficiência e promptidão. Nesta perspectiva, a realidade masculina é assim:
-5 minutos de conversa ao telefone são suficientes para falar sobre os negócios, as brincadeiras diárias com o melhor amigo, marcar consultas ou programar pormenorizadamente as férias de verão;
-a vida íntima dos conhecidos, desconhecidos e estrelas de cinema é tão importante quanto a diferença entre cor-de-rosa e magenta;
-se vão participar num evento social refinado ou se vão comprar o pão, em 10 minutos conseguem se aprontar;
-escolhem os seus gadgets em função do rendimento e utilidade, não pelo design;
-vivem tranquilamente com 3 pares de calças e algumas t-shirts;
-etc.

7.-Os homens gozam os prazeres simples da vida. A diferença das suas “oponentes” que só são satisfeitas se o dia seguir como previsto, o penteado resistir, a colega antipática no trabalho derramar o café na saia, as astros for favoráveis, não chover, os likes no Facebook forem milhares e o muffin se pousar no posterior e não na bariga, os senhores sabem se divertir, gozar, emocionar-se com várias “pequenas” coisas das quais desfrutam plenamente:
-as 20 maneiras diferentes que se usam solenemente ao abrir uma cerveja;
-os filmes pornô;
-os canais desportivos;
-o busto generoso da chefona, da barista ou da vizinha;
-os conversas sinceras com os amigos;
-etc.

* * *

A “profissão” de homem tem vários benefícios, mas também desafios. O que é essencial é manter aquele equilíbrio capaz de oferecer a satisfação de estar na própria pele.