Gosto de mulheres maduras

Gosto de mulheres maduras

A diferença de idade entre os parceiros sempre foi e infelizmente ainda continua a ser um tema controverso. “Infelizmente” porque, normalmente, os problemas de um casal deveriam permanecer exclusivamente problemas do casal... e de ninguém outro.

Contudo “a boca da gente só a terra pode parar” e assim, constantemente vão existir bate-bocas irritantes que embora não sejam afectados com nada na sua existência obtusa (pelo fenómeno em causa), vão perguntar-se irritados, irónicos e confusos, como pode um homem estar com uma mulher que podia ser a sua mãe? Bem, os relacionamentos desse tipo existem e até funcionam muito bem, às vezes bem melhor do que os relacionamentos entre parceiros com idades semelhantes. E, ironicamente, também sem o acordo dos “críticos” de profissão!

As causas da atracção que os jovens sentem para com as mulheres maduras são mais complexas, mas um primeiro conjunto de argumentos brevemente listados à primeira vista para uma resposta “de abertura” podia ser: o desejo deles de deixar o mais rápido possível a zona incerta e irrelevante da juventude, através de uma maturidade que não lhes pertence, mas que os atrai pelo rafinamento, sabedoria e personalidade (uma espécie de taxi social com uma motorista experimentada e sexy).

A presença da mulher “adulta” na vida de um jovem é realmente fascinante. Antes de tudo, porque lhe oferece a possibilidade de reviver de forma subliminal a sensação agradável da atenção e do afecto materno (total e incondicional), mas dessa vez vinda de uma pessoa que não hesita imaginar (com a satisfação do macho “conquistador”), que os outros homens desejam também.

Claro, há também inúmeras “atracções” jovens, mas essas parecem às vezes não oferecer algum motivo de interesse. A falta de coerência, o estilo de vestir sem alguma inspiração ou a forma de manifestação quase infantil, são motivos igualmente válidos para as evitar. Da mesma maneira são irritantes a arrogância ou au auto-confiança enfatuada nas “forças próprias”, que na realidade só são sustentadas por um aspecto físico agradável, gerador de tentação sexual que, ao receberem atenção, consideram que são automaticamente dignas de uma real apreciação existencial, sobretudo relativamente a valores que provavelmente nem sequer conhecem. Outras vezes são consideradas como demasiado “espalhafatosas”, demasiado vulgares... pois no desejo de se fazer notar na sociedade que acabam de descobrir com entusiasmo, são tentadas a se destacar de forma bizarra em quase tudo o que elas fazem. A imaturidade, a instabilidade e a dependência (sobretudo financeira), com que estão entuasiasmadas por exercê-las como se fossem um instrumento a medir a atenção dos homens, fazem com esses dirijam os seus olhares para as descendentes da Eva que são um pouco mais experientes a nível de vida e que é como se tivessem sempre soluções milagrosas para os problemas que aparentemente (para a sua idade) pareciam insuperáveis.

As “maduras” já experimentaram algumas histórias de amor até àquele momentos e naturalmente, elas ganharam alguma “ciência” da sexualidade. É isso mesmo que atrai inicialmente os “machos”. Conhecendo já relativamente bem as tipologias de homens, elas sabem como abordá-los, seduzi-los, mas sobretudo... satisfazê-los. Os seus parceiros adolescentinos têm portanto tantas coisas para aprender e não se trata de “cursos” que possam aborrecer ou que alguém não frequente com prazer. É por isso mesmo que, quase cumprindo o sonho de qualquer homem, o erotismo praticado intensamente vai deixar a sua marca de forma evidente e o estudante vai se deixar completamente, abandonando-se docemente, exclusivamente nas mãos da “prof de sexo”.

Hoje em dia, os casais já não respeitam as regras e as tradições de outros tempos. É por isso mesmo que lentamente... parece que a diferença de idade começa a deixar de ter muita importância, e se houver atracção, compreensão e afecto, nada mais poderá parar o desejo de aproximação das pessoas, pois: “No amor como na guerra, não há regras”.

As mulheres maduras conhecem muito bem as suas qualidades. Tiveram bastante tempo para as identificar, estudar e cultivar, mas acima de tudo aprender como as valorizar, mascarando as falhas inerentes a toda a gente. E os homens respeitam isso.

A experiência adquirida no exercício da luta pela sobrevivência, a maneira em que atira os olhares com a sua atitude em qualquer lugar faz sentir a sua presença e aquele seu charme especial... são como uma ilha exótica salvadora, num oceano de falsas aparências instáveis (específicas aos moças que acabaram de sair do período da adolescência).

Uma das maiores queixas dos homens quando se trata de mulheres em geral é o facto delas serem seres difíceis, indecisas e eternamente insatisfeitas... com tudo. Felizmente, esses problemas desaparecem na idade adulta, e as mulheres que já alcançaram esse estado de ecvolução sabem exactamente o que é que elas querem e são capazes de dizer as coisas como são. Os complexos pertencem ao passado, e elas vivem a vida plenamente, sem esperar sonhadora ou estupidamente que o sexo sela necessariamente precedido por alguma história piegas de amor... como nos contos de fadas (ou nas novelas).

O melhor sexo é o sexo completamente sem inibições e as “senhoras de meia-idade” as superaram há muito tempo. Por contraste (para a decepção dos homens), as jovens são inseguras, eternamente preocupadas com o tamanho dos seios, com a forma e o peso corporal, celulite, estrias, cor do cabelo, manicure, roupas, lugares que queriam ver ou coisas que queriam necessariamente fazer, deixando a sensação de uma vela que se “consome” ao arder demasiado rápido... com egoistica e descuidadamente, mesmo na frente dos que os alimentam. E isso é completamente desagradável pois simplismente ninguém gosta ser usado como caixa-pagadora, sentindo de provocar interesse apenas por conseguir satisfazer os caprichos de uma gaja estragada desse tipo. O pior é que ainda assim, mais cedo ou mais tarde ele acabará por ser trocado por um outro (sem algum tipo de reservas ou remorsos), quer porque ele ficou cansado esforçando-se para ser interessante, quer porque representa “algo” com que ela já ficou entediada.

Por outro lado, um jovem que conseguiu conquistar uma mulher no auge da vida, recebe uma satisfação muito mais emancipada. A revelação que uma mulher que tem vivido mais relacionamentos amorosos, que talvez foi casada ou é cortejada por vários outros homens “importantes”, escolheu somente ele (e parece estar bem na sua companhia), vai fazer com que ele adquira uma auto-confiança extraordinária na própria personalidade e a sua capacidade de vencer.

Se analisarmos essa situação, mesmo fisiologicamente, o homem atinge o clímax da sua vida sexual no final da adolescência, enquanto as mulheres atingem esse momento apenas com 40 anos de idade, o que significa que o inexperiente amante se encaixa perfeitamente com uma “elegante”.

A mulher madura não é complicada, mas também não é simples. Uma coisa é clara: ela tem bastante características que lhes são favoráveis em comparação com uma adolescente. Parece que ela pode ser comparada com o vinho, pois a vida a rende mais preciosa. Por último, mas não menos importante, é extremamente reconfortante que uma parceira desse tipo tenha conhecimentos suficientes para oferecer conselhos, soluções, ideias e, não menos importante, quando estiver jantando num restaurante elegante, que ela saiba encomendar o melhor vinho e além do mais, que tenha o dinheiro suficiente para o pagar.

Portanto... se amar uma mulher assim, seja feliz, aproveite a sua história e deixe de se preocupar com aqueles que o criticam. Eles estão longe de compreender ou de sentir pelo menos algumas das alegrias e prazeres excêntricos que você tem!

Boa sorte!