O fetichismo robótico

O fetichismo robótico

Semelhante de alguma maneira à agalmatofilia, o fetichismo robótico (conhecido também pelo nome de tecnosexualidade), é baseado na aspiração de relacionar com seres não-humanos. Na maioria dos casos, isso acontece através do jogo de papeis e usam-se fantasias que imitam a conformação robótica ou reproduzem os movimentos ou os sons “artificiais” característicos das “máquinas inteligentes”.

Quando se trata de auto-estimulação, a imaginação é o motor principal da operação e muitas vezes nasce também a aspiração de se tornar “cibernético”, de ter um corpo sem veias ou capilares, mas sim circuitos eléctricos.

Dado o boom tecnológico dos nossos dias, os acessórios ou mesmo os parceiros “sintéticos” podem ser comprados já prontos e usados como cada apaixonado por estas interacções futuristas quiser, mas claro, isso tem custos nada insignificantes.