O fetiche de sangue/ Hematolagnia

O fetiche de sangue/ Hematolagnia

Apesar de a existência dos vampiros não ser mais do que um mito muito manipulado pela literatura e pelas produções cinematográficas comerciais, há também casos de pessoas que parecem similares a essas criaturas dependentes do consumo de líquido vermelho.

Mais concretamente, trata-se da categoria dos fetichistas que só se excitam ao verem sangue. Mas não em qualquer contexto. Caso contrário, eles reagiriam impulsivamente com uma visita para a sala de emergência do hospital mais próximo para obter a dose necessária de “exitação”. As circumstâncias em que os sentidos dessas pessoas animam-se em relação com a substância vital é obviamente de natureza “eufórica”, convencional-sexual, multiplicada por este pequeno detalhe... fluido.

Essas práticas envolvem mordidas, comichões, cortes leves, determinando consequentemente a presença ou o consumo da “comida hematológica”, e temos que precisar que as coisas limitam-se unicamente a um objectivo provocador (mais de “imagem”) e não têm absolutamente nada a ver com matar a sensação de sede real ou prejudiciar a integridade corporal do parceiro.

Por mais desagradável que este hábito possa parecer, aparentemente o reflexo geral da visão que há no presente sobre este fetiche, tornou-se mais relaxado e menos requisitorial, com a popularização da famosa série Twilight.