Agalmatofilia

Agalmatofilia

Quando passam perto de uma loja, as pessoas que têm este fetiche mostram mais interesse pelos manequins nas montras do que pelas roupas expostas para venda.

A agalmatofilia é o interesse sexual por personificações inanimadas como manequins, estátuas ou bonecos, e os “derivados” deste fetiche incluem a fantasia da interacção comunicativa com estes, o contacto físico mesmo, a idéia de transformar a própria pessoa ou o parceiro numa existência material similar (cada uma destas “opções” provocando excitação e prazer).

O que fascina os “actores” desta preferência, é a idéia da imobilização, da estabilidade que se traduzem em vários cenários para satisfazer as suas necessidades, e neste quadro butafórico, a ilusão tem sem dúvida um papel extremamente importante.

A “tentação” é conhecida também pelo nome de estatuofilia ou pygmalionismo (com referência ao mito do Pigmaleão, escultor grego que ficou irreversibilmente apaixonado pela beleza da estátua que ele próprio modelou).

Uma subcategoria da agalmatofilia é a atracção pelos bonecos. Esta diz que os parceiros estão voluntariamente sujeitos à um processo de “artificialização” e emprestam pela sua atitude, acessórios e roupas, as características de alguns bonecos “suaves” (usando geralmente o látex ou elastano para realçar a pele lisa, em “plástico”), obrigatoriamente com cintura fina (realizada com os corpetes), cabelos compridos (obtidos graças a perucas), seios falsos (para os homens que querem ser efeminados) e até a solução da vagina artificial (se o desejo de interpretar perfeitamente o “papel” for realmente obsessivo).

O quadro online e a tecnologia actual oferecem algumas possibilidades muito interessantes para o desenvolvimento deste tipo de “chamamento”, e incentivam com várias opções o que por alguns é um simples hobby ou uma chance inédita de fugir do banal e por outros... o gosto de um estilo permanente de vida.