A sonofilia

A sonofilia

Quem é que não gosta de olhar para o parceiro (a) dormir, acariciá-lo delicadamente no rosto ou se aconchegar para sentir a sua respiração ou o seu calor? Alguns gostam de surpreender a sua metade dormir a tal ponto que o facto em si aumenta o ritmo cardíaco, estimula sexualmente e prepara o protagonista para muito mais...

As reacções daqueles que gostam deste tipo de fetiche para com a pessoa que está no mundo dos sonhos, vão de uma simples “espionagem” para o gesto da auto-satisfação, o desejo de atingir o corpo adormecido com os próprios órgãos genitais ou a tendência de “invadi-lo” com movimentos suaves afim de começar o acto sexual.

Aparentemente a vulnerabilidade e disponibilidade associadas à inconsciência são os factores que determinam algumas pessoas a desejar de aproveitar pacífica e afectivamente do outro. Já a presença de alguém na mesma cama é sinal indirecto de aceitação, portanto fundamentalmente não há maneira de as coisas correrem “forçadamente” nesta direcção (como alguns poderiam interpretar à primeira vista).

Segundo os psicólogos, é o factor de poder a alimentar subconscientemente o funcionamento deste fetiche sincero, bastante frequente e que tem com certeza várias vantagens: os casais que experimentam este tipo de fetiche não invocam o cansaço para a abstinência (nem que seja temporária), muito pelo contrário, esta é a parte mais interessante de um prelúdio onírico e “silencioso”.